Interrupções no dia a dia: você sabe como lidar com as interrupções constantes do dia a dia e não pe



Após quase 3 meses sentada literalmente na recepção da empresa, tenho refletido muito sobre as interrupções constantes e o fácil acesso que as pessoas têm até mim diariamente.

Claramente é fácil identificar os contras dessa situação:

- falta de foco

- interrupção de raciocínio

Apesar de ter uma opinião quase segura de que acredito muito no poder de uma área de trabalho aberta e sem barreiras, às vezes, me pego pensando:

"Acho que vou pegar a sala do RH para mim"

Mas, logo cai a ficha, "não seja igual a todo mundo que quer ter sua própria salinha".

Existem bons motivos para ter minha própria sala? Sim, muitos.

- privacidade

- foco

- "hierarquia"

Parece que faz muito sentido, mas nos últimos meses, quando estava assistindo a um episódio de "Abstract" no Netflix sobre a designer gráfica, me deparei com uma opinião super contrária a minha e de todo o mundo que conheço.

Ela gerencia um escritório grande de design gráfico, e na entrevista, contou que gosta muito das interrupções que "sofre" enquanto esta caminhando pelo escritório entre um designer e outro.

"Pára tudo", pensei. E aí me interessei em saber qual a razão desta opinião.

O fato foi que, saber lidar com essas interrupções constantes diariamente mantém seu cérebro ativo, te traz mais insights entre um projeto e outro, e faz você sair da sua zona de conforto o tempo todo.

Sobre sair da zona de conforto nem preciso me alongar muito para dizer que isso é extremamente vital para qualquer ser humano, certo?

Pois bem, ouvir isto realmente mudou minha perspectiva e minha opinião sobre este tema. Ainda me incomodo um pouco com as interrupções no dia a dia, porque realmente é difícil. Mas logo tenho a consciência de que isso fará diferença no longo prazo. Afinal, não quero ficar para trás e preguiçosa. Alguém quer?

Mas então, como lidar na prática?

Estou ainda em fase de testes, claro, mas mesmo assim gostaria de registrar como tenho gerenciado este fato do meu cotidiano.

- Eu nunca recuso falar com alguém pessoalmente. Se a pessoa senta na minha mesa e quer conversar sobre QUALQUER COISA, me faço disponível. Não deixo que telefonemas atrapalhem, a não ser que seja algo de extrema urgência;

- Como tenho minhas rotinas diárias muito claras e definidas, assim que a "interrupção acaba", sei para onde devo voltar;

- Também tenho disciplina o suficiente para entender quando preciso estar 100% focada, e aí, realmente me isolo (normalmente em casa) para poder trabalhar no que precisa mais do meu cérebro. Para ser sincera, não há muitos temas que preciso de tanta concentração assim, afinal, tendo uma rotina eficiente as coisas se tornam quase automáticas.

Afinal, quais são os benefícios das interrupções? Bom, aqui vai minha opinião sob a minha perspectiva:

- Abertura e transparência: não tenho um lugar melhor que o de ninguém, as pessoas se sentem confortáveis para vir e falar comigo sobre o que for preciso. Assim, consigo ler o clima entre os colaboradores e as necessidades das rotinas de cada um. Enfim, já é motivo suficiente.

- Menos hierarquia, mais trabalho: mostrar que estou trabalhando das 8h às 18h (normalmente mais), mostra que não importa seu cargo/função. Apesar de ter liberdade, mostro que minha prioridade é estar ali, em fazer o que for preciso para o melhor funcionamento do negócio. E não em priorizar minhas vontade e minha vida pessoal.

- Ideias: cada vez que surge uma ideia ou contribuição de algum colaborador, em apenas alguns segundos ele me alcança para compartilhar alguma ideia ou sugestão para o melhor funcionamento da rotina de todos. Às vezes acaba dando mais espaço até para falarem sobre seus problemas do que ideias, mas aí, aproveitamos para discutir qual seria a solução e aí as chances de o problema ser resolvido são mais altas.

Bom, assim como a minha perspectiva mudou sobre as interrupções diárias, e ainda tem mudado, espero que você também possa refletir sobre isso e tirar suas próprias conclusões.

"As coisas que mais valem a pena fazer nem sempre são são fáceis, simples ou estão dentro da nossa zona de conforto. E isso você já sabe. Então, como saber se realmente compensam? Aqui vai uma regra fácil: as coisas que valem a pena são paradoxos. Nos deixam tristes e felizes. Provocam dores e sorrisos. Nos fazem sonhar, enquanto nos fazem sofrer. Nos deixam agradecidos, enquanto também nos ensinam o significado da solidão." Se alguém tiver alguma opinião que possa agregar, peço por favor que compartilhem aqui com a gente!


quem sou eu

Yasmin de 1990, 220v, arquiteta, empreendedora, gestora, meu currículo você encontra aqui.
Amo livros, series e papelaria. Já fui compulsiva por comprar cadernos, hoje tenho prazer em usá-los e lê-los. Busco o tempo todo estar o mais presente possível (para mim esse é o segredo de tudo). Me comunico melhor através de listas, implemento o método GTD na minha vida desde 2016. Branco, preto e cinza. Cores são sazonais na minha vida. Me conecto com tudo que tem consistência e transparência. Eu amo planejamento e entrego todos os meus planos para Deus todos os dias. Sim, um dia dissertarei sobre isso. Me movo através de pequenos passos que ao longo do caminho se despertam em coisas incríveis que nunca imaginaria. Estou aqui para compartilhar meu caminho enquanto me organizo e conquisto minhas metas de vida, e com isso, espero te ajudar a viver um dia de cada vez em direção às suas conquistas!